Estas são as praças mais exclusivas da Europa

Estas são as praças mais exclusivas da Europa

Lifestyle

Estas são as praças mais exclusivas da Europa

Nem sempre são as maiores, nem as mais antigas, nem as mais famosas, mas são as que têm maior encanto.

Artigo de Equipa Paraeles

04-11-2022

Nem sempre são as maiores, nem as mais antigas, nem as mais famosas, mas são as que têm maior encanto. Pelo menos é nisso que acreditam os utilizadores do Jetcost.pt, o motor de pesquisa de voos e hotéis que periodicamente pergunta pelos espaços mais exclusivos da Europa. Nesta ocasião a consulta foi sobre as praças que consideram mais encantadoras e onde se pode passar um bom momento desfrutando numa das suas esplanadas e ao mesmo tempo, enquanto contempla o que há de melhor à sua volta, sentir o seu ambiente. Duas delas situam-se aqui em Portugal: a Praça do Comércio em Lisboa e a Praça de São Tiago em Guimarães.

Praça do Comércio, Lisboa (Portugal)

A Praça do Comércio é um dos locais mais emblemáticos da cidade de Lisboa e pode ser considerada o centro da cidade. Aqui estava localizado o Paço Real que, na sequência do forte e histórico terramoto de 1755, foi completamente destruído. O Marquês de Pombal, à época primeiro-ministro do Reino e encarregue da reconstrução da cidade após o terramoto, quis reconstruir esta praça em forma de U, com vários edifícios que dão uniformidade ao conjunto e formam um espaço aberto ao rio Tejo. Destaca-se o imponente Arco do Triunfo localizado na Rua Augusta e a estátua de José I ao centro, o monarca que reinava quando ocorreu o histórico terramoto. Na praça existem vários restaurantes e cafés, entre os quais destaca-se o “Martinho da Arcada”, que é não só um dos estabelecimentos mais antigos da cidade (1778) como também um dos mais importantes histórica e culturalmente, que teve entre os seus clientes habituais Fernando Pessoa, um dos maiores poetas portugueses.

Praça de São Tiago, Guimarães (Portugal)

É o ponto central do centro histórico desta cidade onde se diz que nasceu a identidade nacional portuguesa. Foi também em Guimarães que, no ano de 1109 nasceu aquele que seria o primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques, quando a cidade ainda era uma pequena vila medieval protegida por um castelo de pedra e madeira. Guimarães, que é um dos 18 lugares reconhecidos em Portugal como Património da Humanidade, é um exemplo excecional da transformação de uma vila medieval numa cidade moderna, sempre com recurso a materiais e técnicas de construção tradicionais. Junto ao vizinho Largo da Oliveira, ambas as praças estão rodeadas por edifícios históricos medievais e é o lugar onde nos podemos sentar, numa das suas bonitas esplanadas, para tomar algo.

Estas são as praças mais exclusivas da Europa

Praça de Espanha, Sevilha (Espanha)

No coração do Parque de María Luisa está situada a praça mais conhecida de Sevilha, criada pelo arquiteto sevilhano Aníbal González para a Exposição Ibero-americana de 1929 num estilo renascentista e com 200 metros de diâmetro. O que mais chama a atenção nesta praça, são os 49 bancos com mosaicos de azulejos que acompanham todo o edifício da Praça de Espanha. Estes frescos representam as províncias espanholas (mas não estão as 52, faltam Tenerife e a Gran Canaria, que não eram províncias independentes na época e, curiosamente, também não há Sevilha, que é referida nos outros quatro murais). A grande fonte no centro da praça e o canal redondo com suas inúmeras e bonitas pontes chamam a atenção e pode-se alugar e andar num pequeno barco a remos nele. Como curiosidade, foi escolhido para representar Theed, a capital do planeta Naboo, lar da Rainha Padmé Amidala na saga Star Wars.

Praça Navona, Roma (Itália)

Localizada no coração de Roma, é uma das praças mais famosas da Europa. A sua origem remonta à época romana, ocupando o local onde era o Estádio de Domiciano, um recinto imponente com capacidade para 30.000 espectadores, embora tenha sido reconstruído no século XV. As suas três espetaculares fontes – Quattro Fiumi, del Moro e Nettuno – ao redor de edifícios barrocos, cafés pitorescos e artistas de rua fazem dela um cenário ao ar livre durante todo o dia. Certamente a fonte mais curiosa e bela é a dos Quatro Rios, obra de Bernini e dedicada a quatro rios dos quatro continentes conhecidos na época: O Nilo pela África, o Danúbio pela Europa, o Rio da Prata pela América e o Ganges pela Ásia.

Trafalgar Square, Londres (Reino Unido)

O seu nome indica a sua origem. Foi criada em 1830 para comemorar a vitória da marinha britânica contra a espanhola e a francesa, na Batalha de Trafalgar. No centro da praça ergue-se a majestosa Coluna de Nelson, com quase 50 metros de altura, em homenagem ao Almirante Nelson, que morreu enquanto comandava a marinha britânica nessa batalha. Como em alguns outros locais emblemáticos, os leões que cercam a estátua foram construídos a partir do bronze fundido dos canhões da frota francesa. Na parte norte da praça ergue-se a majestosa Nacional Gallery e em frente dela estão duas grandes fontes que se iluminam ao cair da noite. Na praça podem-se ver várias estátuas de pessoas famosas, entre as quais se destaca a de George Washington. Esta estátua, um presente do estado da Virgínia, está erguida sobre terra importada diretamente dos Estados Unidos, pois Washington tinha jurado nunca mais pisar solo britânico.

Praça da Cidade Velha, Praga (República Checa)

Remonta ao século XII, a Praça da Cidade Velha de Praga é uma magnífica mostra da arquitetura medieval. Dominada pelo edifício da antiga Câmara Municipal, o relógio astronómico e a igreja de Týn, é também o lugar mais animado da capital checa e a poucos passos da famosa Ponte Carlos, também um ícone da cidade. Na antiga Câmara Municipal encontra-se o impressionante Relógio Astronómico de Praga que marca as horas, entre as 9 da manhã e as 11 da noite, fazendo figuras que representam os doze apóstolos a andar. O mostrador é uma expressão da visão medieval da astronomia, com a Terra no centro do universo e três discos sobrepostos indicando a hora na República Checa, Europa Central e Babilónia, respetivamente. Da sua torre gótica de 60 metros de altura, pode-se ver o centro da cidade, numa perspetiva panorâmica.

Praza Mayor, Salamanca (Espanha)

A Praza Mayor de Salamanca, do século XVIII, é uma das mais monumentais e belas praças urbanas da Europa. Começou a ser construída em 1729 em estilo barroco seguindo o projeto de Alberto Churriguera. Localizada no centro da cidade, forma um quadrilátero irregular com arcadas nos quatro lados, com três andares em cada fachada, presidido pela Câmara Municipal. No Pavilhão Real destaca-se a efígie do Rei Fernando III, El Santo e os medalhões nos tímpanos dos seus arcos representam os monarcas espanhóis. No pavilhão sul, ou de San Martín, vemos ilustres soldados ou conquistadores, enquanto no pavilhão dos petrineiros as figuras nos medalhões são personagens da cultura, como Cervantes ou Santa Teresa. Os bustos que coroam o campanário dos Paços do Concelho representam a Agricultura, o Comércio, a Indústria e a Astronomia, embora haja quem afirme que são realmente as virtudes cardeais: Justiça, Prudência, Fortaleza e Temperança, bases, entre outras coisas, do bom governo.

Praça Pretoria, Palermo (Itália)

A Fontana Pretoria, com a praça do mesmo nome em que está localizada, é um dos lugares mais fotografados da capital siciliana. É uma fonte renascentista originalmente destinada ao jardim privado de uma mansão imponente em Florença. O seu cenário representa o mundo mitológico da antiguidade, com deuses, ninfas e nereidas mostrando os seus corpos nus. A grande fonte ocupa o centro da Praça Pretoria e eleva-se até treze metros acima do nível da mesma. Uma curiosidade é que pode-se aceder ao interior da fonte pela escada sul, localizada em frente ao Palazzo delle Aquile. A fonte foi feita inteiramente de mármore branco de Carrara e desenvolve-se em dois níveis sobre uma planta elíptica e em cada canto há uma fonte presidida por divindades pagãs reclinadas. Atrás dela está a igreja conventual de Santa Caterina d’Alessandria de cujas janelas gradeadas, as freiras de clausura podiam ver as estátuas da fonte, o que no seu tempo escandalizou os cidadãos.

Praza Mayor, Madrid (Espanha)

Esta é uma das melhores praças da Europa devido à sua arquitetura vibrante e encanto do velho mundo. Esta praça enorme localizada no centro da cidade, começou a ser construída no século XVII, por ordem do rei Felipe III, cuja estátua equestre esculpida em bronze, adorna o lugar e foi inaugurada em 1620. Em tempos passados, o lugar foi palco de inúmeros eventos públicos, como touradas, procissões, festas, espetáculos teatrais, julgamentos da Inquisição e até execuções capitais. Sob os seus alpendres, há lojas tradicionais, além de uma infinidade de bares e restaurantes e ainda há um animado mercado de selos e moedas, além de um mercado de Natal em dezembro. Alguns edifícios destacam-se na praça, como a Casa de la Panadería, em que se destacam os frescos da fachada, e a Casa de la Carnicería.

Praça da Santíssima Trindade, Budapeste (Hungria)

Menos conhecida do que outras grandes praças da Europa, a Praça da Santíssima Trindade (Szentháromság tér) é uma das melhores do continente. Localizada na parte mais alta de Buda, está rodeada por edifícios e monumentos históricos, como a Igreja de Matias, o Castelo de Buda e o Bastião dos Pescadores. Há também uma estátua icónica dedicada à Santíssima Trindade que homenageia as vítimas da peste bubónica de 1691 e outra mais moderna, de 1906, de Santo Estêvão em frente ao Bastião dos Pescadores de Alajos Stróbl. Também no número 6, está a Casa do Vinho Húngaro (Magyar Borok Háza) que representa todas as 22 regiões vinícolas do país e tem garrafas de cerca de 700 vinhos diferentes. Muitos deles podem ser degustados pelo preço do ingresso.

Praça del Obradoiro, Santiago de Compostela (Espanha)

A Praça del Obradoiro é o centro monumental de Santiago de Compostela e uma das praças mais representativas de Espanha. O seu nome galego parece derivar das oficinas dos pedreiros que trabalharam na construção da fachada barroca da Catedral, que domina a praça e acolhe os milhares de peregrinos que chegam pelo Caminho de Santiago. Os edifícios que circundam a praça – a Catedral, o Hostal de los Reyes Católicos, hoje uma estalagem nacional e outrora hospital de peregrinos; o Colégio de San Xerome, sede da reitoria da universidade, e o Palácio de Raxoi, sede da Câmara Municipal de Santiago – representam os principais pólos de vida na capital galega: religião, formação universitária, atendimento, ao peregrino e ao viajante e à administração. Esta praça tem, portanto, a qualidade de resumir os usos e a história milenária da cidade. Uma rotação de 360 graus permite reconhecer rapidamente a presença de diferentes estilos arquitetónicos, que surgiram em mais de 700 anos de construção.

A Grand-Place, Bruxelas (Bélgica)

A Grand-Place é o local mais surpreendente de Bruxelas e uma das praças mais bonitas da Europa segundo os utilizadores de Jetcost.pt <https://www.jetcost.pt> . O cenário, como muitas grandes praças para eventos festivos e dramáticos, a arquitetura que a envolve faz dela uma verdadeira obra de arte. O seu edifício principal e o mais antigo é o Hotel de Ville, ou a Câmara Municipal, que data de 1459, no qual se destaca uma torre de 96 metros de altura encimada por uma estátua de São Miguel e o telhado perfurado por dezenas de claraboias. A Maison du Roi foi construída em 1536 e por muitos anos foi a residência dos monarcas reinantes, mas hoje abriga o Museu da Cidade (Musée de la Ville). Mas sem dúvida o lugar mais visitado é o Roy d’Espagne, o bar mais famoso da Grand Place porque, além da cerveja, oferece vistas privilegiadas desde a sua esplanada. No interior, ainda há figuras penduradas em uniformes dos tempos do Duque de Alba.

Praça de la Bourse, Bordeaux (França)

É o centro da cidade de Bordéus, declarado Património Mundial da UNESCO e o exemplo por excelência da arquitetura francesa do século XVIII. Embora esteja rodeada de imponentes edifícios, curiosamente é o espelho de água que reflete as suas fachadas às margens do Garonne, desde 2006, o que mais atrai a atenção dos visitantes e faz as delícias de crianças e não crianças. Este complexo monumental composto pelo Hotel de la Bourse e o Hotel des Fermes é um exemplo ideal e original de uma praça real destinada a servir de cenário para a estátua equestre do rei da França. A fonte das “Três Graças” em bronze e mármore que adorna o centro da praça foi inaugurada em 1869, substituindo uma estátua equestre de bronze de Luís XV, obra-prima de Jean-Baptiste Lemoine em 1743 e fundida na época da Revolução. As três Graças, filhas de Zeus, tinham os nomes de Thalie, Aglaé e Euphrosyne.

Praça del Campo, Siena (Itália)

É o canto mais bonito de Siena e o mais animado, também uma das poucas praças medievais que se conservam na Europa com a sua forma peculiar de concha, com uma inclinação de cima para baixo em direção à Torre de Mangia, o grande edifício que a preside. Em comparação com o que era habitual na época, quando os grandes senhores construíam torres para mostrar o seu poder, os edifícios palacianos que cercam a Praça del Campo têm a mesma altura, mostrando uma frente muito uniforme.

Veja também: Os 10 locais mais assustadores em Portugal

O que a tornou universalmente conhecida foi o seu peculiar e famoso Palio Festival, uma das principais celebrações festivas que acontecem na Itália todos os anos e que remonta a mais de 400 anos. Os representantes de cada contrade, ou seja, de cada bairro de Siena, animam o cavaleiro que os representa numa corrida de cavalos que dura poucos minutos e cujo único prémio é um pálio, ou seja, uma bandeira de seda –também chamada de drappelone ou cencio–. O Palio acontece em duas datas, em 2 de julho sob o nome de Palio di Provenzano, em homenagem à Virgem de Provenzano, e em 16 de agosto, conhecido como Palio de Assunta, que comemora a festa cristã da Assunção de Maria.

Marienplatz, Munique (Alemanha)

É a praça principal da cidade de Munique desde 1158. Rodeada pela Neues Rathaus (Nova Câmara Municipal) e Altes Rathaus (Antiga Câmara Municipal), a Marienplatz de Munique é o melhor local para começar a percorrer a cidade na sua extensa zona pedonal. Os mais animados podem tentar subir os 306 degraus da torre da Igreja de San Pedro e desfrutar das suas vistas panorâmicas. Três vezes por dia, o Glockenspiel, um conjunto de 32 figuras e 43 sinos, ganha vida com sinos e figuras dançantes que narram dois episódios da história da cidade de Munique no século XVI. Muitas das artérias comerciais da Cidade Velha começam aqui e também abrigam algumas das cervejarias mais tradicionais de Munique. As mais populares na cidade e em toda a Baviera são a Helles, uma cerveja leve, e a Weizen, feita de trigo.

Siga o ParaEles no Instagram
Instagram @paraelesofficial

Siga o ParaEles no Instagram
Instagram @paraelesofficial

PÈ
Artigo de
Equipa Paraeles

04-11-2022



RELACIONADOS