Joana Peta: “Quando fomos campeões eu estava lá, em Paris, no estádio, ao lado de milhares de portugueses”

Joana Peta: “Quando fomos campeões eu estava lá, em Paris, no estádio, ao lado de milhares de portugueses”

Galerias

Joana Peta: “Quando fomos campeões eu estava lá, em Paris, no estádio, ao lado de milhares de portugueses”

Joana Peta tem 28 anos, é médica, tirou dois anos sabáticos e andou a fazer voluntariado em África. A jovem conta ainda que quer ir à Austrália, jogou futebol durante nove anos, prefere filmes a séries recentemente cruzou-se com Floyd Maywheater no Dubai.

Toda a gente irá concordar se dissermos que Portugal tem muitos encantos espalhados de norte a sul. Boa gastronomia, praias de enorme qualidade, uma oferta cultural acima da média, entre muitas outras coisas que fazem as delícias de quem cá mora e dos milhões de turistas que todos os anos visitam o nosso país.

O que tem também muito encanto é percorrer o feed do Instagram e constatar que está repleto de mulheres portuguesas que partilham diariamente imagens fantásticas – as quais merecem toda a nossa e sua atenção. E como não queremos que perca horas e horas a tentar encontrá-las no Instagram, basta que visite o nosso site para ver o que de melhor há nesta rede social.

Joana Peta tem 28 anos, é médica, tirou dois anos sabáticos e andou a fazer voluntariado em África. A jovem conta ainda que quer ir à Austrália, jogou futebol durante nove anos, prefere filmes a séries recentemente cruzou-se com Floyd Maywheater no Dubai.

Olá Joana, apresenta-te aos nossos leitores.
Olá, chamo-me Joana Peta, sou médica, tenho 28 anos e vivo em Lisboa. Tirei mestrado em Medicina, que são sete anos, e neste momento estou a fazer a especialidade de Psiquiatria, que são mais cinco anos.

O que te vês a fazer profissionalmente no futuro?
No futuro próximo, pretendo exercer a minha profissão; num futuro mais distante vejo-me a abraçar algo diferente, penso que a vida é demasiado curta para fazermos uma coisa só.

“A vida é demasiado curta para fazermos uma coisa só”

E costumas viajar? 
Uma vez que não tenho asas e não posso voar, viajar é, sem dúvida, o meu meio de evasão. Tive a incrível oportunidade de tirar dois anos sabáticos enquanto estudava e viajei pela cultura asiática, caminhei pela história da América Central/Sul e fiz voluntariado em África.

Voluntariado foi algo que sempre quiseste fazer?
Um dia decidi não adiar mais o dia em que iria concretizar um dos meus sonhos que era fazer voluntariado. Sem pensar muito, tratei do visto e comprei um voo sem data de regresso e numa questão de dias estava eu, sozinha, no meio do “nada”, pronta a concretizar o que há tanto adiava. Não há palavras que possam descrever a vasta experiência que foi estar junto de crianças desprovidas de pais (ou abandonadas, ou cujos pais morreram ou não tinham condições financeiras, ou eram simplesmente alcoólicos, ou então foram mal-tratadas), mas sem dúvida que foi um marco importante na minha vida e me fez crescer como ser humano.

Que viagem queres fazer nos próximos tempos?
Gostava muito de ir até à Austrália. Penso que será um país de contrastes, desde as praias paradisíacas ao deserto Outback; mergulhar na Great Barrier Reef; passear pelas modernas e vibrantes cidades como Sydney, Melbourne, Brisbane.

Viagens de lado, que tipo de música ouves?
Não sou fiel a nenhum artista, senão a mim mesma. Ou seja, há momentos para tudo, e mesmo nesses momentos depende da disposição. Seria cliché afirmar que gosto de tudo um pouco, mas é a verdade.
Não obstante, o artista que mais terei escutado ao longo da minha vida é Yiruma, pois fiz toda a faculdade a ouvir as suas composições.

“Sou presença assídua no grandioso Estádio da Luz”

E sobre futebol, o que tens a dizer?
Adoro futebol! Joguei 9 anos, por isso, é o meu desporto de eleição. Sou do Benfica, em virtude de ser o clube da minha mãe, e claro que sou presença assídua no grandioso Estádio da Luz.

Mudando de assunto, o que gostas mais no teu corpo?
Talvez as mãos… porque são iguais às da minha mãe.

E no do homem?
Numa primeira impressão, são as mãos, o sorriso e a expressão do olhar que me desafiam. Claro que depois, é preciso muito mais para prender a minha atenção. Para mim, um homem tem de ter um ótimo sentido de humor (nesta vida é tão importante rir), ser interessante (gosto de ter oportunidade de aprender com quem estou), tem que existir cumplicidade e sem dúvida tem que ter um bom coração.

E que é que os homens mais gostam em ti?
Esta pergunta não devia ser dirigida a mim. Inicialmente, acredito que seja a beleza física que os possa cativar. Ainda assim, penso que será a beleza interior o que eles mais gostam em mim.

“É a beleza interior que os homens mais gostam em mim”

Com este calor, como é que são os teus biquínis?
Muito coloridos, e de preferência curtos, pois não gosto de marcas.

E preferes praia ou piscina? 
Prefiro praia, mergulhar na água salgada e respirar a brisa do mar.

E qual o piropo mais engraçado que já recebeste?
Recordo um que me fez rir à brava: ‘vais ser a minha futura ex-namorada’.

Quais são os teus hobbies preferidos?
A par da minha paixão que é viajar, gosto muito de passear, estar com os meus amigos e experimentar novos restaurantes e cafés. Adoro ir ao cinema, ler, pintar. Sou apaixonada pelos meus dois gatos a quem dedico uma generosa quantidade do meu tempo e também aprecio cuidar da casa, arrumar, limpar.
Como qualquer mulher, também tenho as minhas tardes de shopping, idas à praia e saídas à noite.

És mais de ver séries ou filmes? 
Sei que hoje em dia as séries estão na moda, mas são os filmes que me enchem as medidas. Suspense, ação e romances são os meus favoritos.

E o que fazes para estar em forma?
Faço-o de uma forma natural. Como de tudo um pouco e, a verdade, é que mantenho o mesmo peso há já alguns anos, sem grandes restrições. No que respeita a desporto, faço umas caminhadas, e tento ir ao ginásio uma vez por semana, pois não sou fã de espaços fechados.

Acompanha-nos até ao teu Instagram. Qual é tua foto preferida?


O porquê é fácil! Foi o dia em que fomos campeões europeus e eu estava lá. Em Paris, no estádio, ao lado de milhares de portugueses a acreditar que o sonho era possível e foi. Toda a celebração vibrante que se seguiu pelos Campos Elísios foi única. Sem dúvida, uma das grandes experiências da minha vida.

“Quando fomos campeões europeus eu estava lá. Em Paris, no estádio, ao lado de milhares de portugueses”

Qual é o tipo de foto que os teus seguidores mais gostam?
Penso que a articulação do natural, com um toque de sensualidade é a melhor simbiose.

Recebeste muitas mensagens estranhas pelas redes sociais?
É frequente perguntarem onde comprei uma ou outra peça de roupa, sapatos, maquilhagem que uso, porém, recentemente perguntaram-me onde tinha comprado o tapete da minha sala. Achei um pouco bizarro.

E o que é que os teus amigos acham das fotos que partilhas?
Tendo em conta que são eles que as tiram, acham bem. Há uma linha ténue que separa, na minha opinião, aquilo que podemos expor, daquilo que é demais. Sempre fiz por me manter fiel a mim própria e não a ultrapassar. Posto isto, até hoje, nunca nenhum me teceu nenhum comentário pejorativo.

Tens uma foto no Instagram com o Floyd Maywheater. Como é que isso aconteceu?
Foi recentemente no Dubai, numa saída à noite. Era o aniversário de uma amiga minha, e ele convidou-nos para o privado dele. Foi muito simpático e foi um incrível presente de aniversário para ela.

Quanto tempo demoras, depois de acordares, até ires dar uma espreitadela no feed do Instagram?
Uma vez que acordo sempre atrasada (pois tenho o sonâmbulo vício de adiar o alarme “só mais 5 minutos” e depois passou meia-hora), diria algum tempo.

E qual é a última coisa que fazes antes de adormecer?
Agradeço sempre a Deus por mais um dia.

Ainda não segue a Joana Peta no Instagram? Então não sabe o que anda a perder.

PÈ
Artigo de
Equipa Paraeles

RELACIONADOS