Crise do Bayern, renascimento do Dortmund e ocaso dos portugueses a jogar na Alemanha

Crise do Bayern, renascimento do Dortmund e ocaso dos portugueses a jogar na Alemanha

Desporto

Crise do Bayern, renascimento do Dortmund e ocaso dos portugueses a jogar na Alemanha

Dez primeiras jornadas da Bundesliga marcadas por muita emoção e algumas surpresas. Os cinco jogadores lusos têm sido pouco utilizados.

Artigo de André Cruz Martins

08-11-2018

Decorridas dez jornadas do campeonato alemão, a grande e estranha novidade é que o hexacampeão Bayern Munique não ocupa a liderança, constituindo-se como a grande desilusão da competição, até ao momento. Os bávaros, que esta época são orientados por Niko Kovac, que chegou do Eintracht Frankfurt, ocupam a terceira posição, em igualdade com o segundo colocado, Borussia Möchengladbach e a quatro do líder Borussia Dortmund.

Ainda assim, as coisas já estiveram piores para o colosso de Munique, nomeadamente quando acumulou duas derrotas e um empate entre a quinta e a sétima jornada e se afundou na tabela. Valeu a recuperação das últimas rondas, com vitórias frente ao VfL Wolfsburgo e FSV Mainz, mas o empate caseiro com o frágil SC Friburgo na derradeira jornada provou que as coisas ainda não estão perfeitas na Baviera.

Niko Kovac tem sido muito contestado

Niko Kovac, que ao comando do Eintracht Frankfurt até “roubou” a Taça da Alemanha ao Bayern Munique na última final, tem sido muito contestado pelos adeptos e a direção do clube até já veio a público dar um voto de confiança ao técnico, o que, como se sabe, muitas vezes é o passo que faltava para o despedimento.

Por outro lado, têm surgido notícias do descontentamento do próprio plantel em relação ao treinador. Uma das críticas é o facto de Kovac obrigar os jogadores a pedalarem de bicicleta nos 20 minutos finais da maioria dos treinos. Os futebolistas também não gostam que a equipa técnica comunique em servo-croata durante as sessões de treino, entendendo que isso é uma falta de respeito.

De acordo com a revista “Kicker”, quatro pesos-pesados do balneário – Arjen Robben, Mats Hummels, Thomas Müller e Frank Ribery – estão a boicotar o trabalho de Niko Kovac e não desejam a sua continuidade.

Renascimento do Borussia Dortmund

Em sentido inverso, vivem-se dias de grande felicidade em Dortmund, com o Borussia a ocupar o primeiro lugar da Bundesliga, parecendo em condições de reviver os tempos áureos do bicampeonato alcançado sob o comando de Jürgen Klopp, em 2010/11 e 2011/12. Os “Schwarzgelben” têm revelado uma invejável saúde ofensiva e já marcaram 30 golos na competição, à exata média de três por partida.

Em grande destaque no Borussia Dortmund tem estado o renascido Marco Reus, autor de seis jogos no campeonato e o antigo benfiquista Axel Witsel, que “pegou de estaca” no meio campo. O extremo norte-americano Pulisic tem sido outra das estrelas da companhia, mas a grande revelação é o jovem avançado inglês Jadon Sancho, de apenas 18 anos, que já fez quatro golos na Bundesliga e mereceu a estreia na seleção A inglesa. E o que dizer do ponta de lança espanhol Paco Alcácer, o mais eficaz goleador dos campeonatos europeus, com sete golos em apenas 204 minutos de utilização, à média de 29 minutos cada?

O outro Borussia também está em grande

Decididamente, esta tem sido a época dos “Borussias” na Alemanha. Para além da liderança do Dortmund, o segundo lugar é ocupado pelo Möchengladbach. A estrela da companhia é Thorgan Hazard, extremo belga, irmão de Eden Hazard e que leva sete golos e três assistências no campeonato, para além de já ter faturado por mais três vezes em outras competições. Nas últimas semanas, tem sido falado para clubes de maiores dimensões e quem sabe se não poderá jogar com o mano num futuro próximo, seja no Chelsea ou noutro gigante europeu? Algo que o próprio rejeita, dizendo que não se sentiria confortável se isso acontecesse.

O defesa-central Mathias Ginter é o porto seguro de uma equipa que tem contado com o excelente contributo do conceituado internacional suíço Yann Sommer na baliza. Ainda na frente de ataque, o ponta de lança francês Alassane Pléa tem estado em grande, tendo apontado cinco golos no campeonato.

Outras figuras em destaque

Lembra-se de Luka Jovic, ponta-de-lança que passou incógnito pelo Benfica? Não se pode dizer que esteja a realizar um grande campeonato, pois faturou em apenas três das dez jornadas realizadas pelo Eintracht Frankfurt, mas a verdade é que entrou para a história pelos cinco golos que marcou ao Fortuna Düsseldorf, tornando-se, com 20 anos e 300 dias, no mais jovem de sempre a fazer “uma manita” num jogo do campeonato alemão. Entretanto, o avançado reconheceu em entrevista recente que foi o principal culpado pelo falhanço no Benfica e que se perdeu um pouco em Lisboa, com noitadas à mistura.

Luka Jovic. Da noitada que roubou-lhe a titularidade no Benfica aos 5 golos marcados num só jogo

Já surgiram notícias do interesse do Bayern Munique nos serviços de Jovic e poderemos estar perante um novo “caso Cristante”: o Eintracht tem cláusula de opção de compra do seu passe ao Benfica por apenas 6 milhões de euros e já se fala em números entre os 30 milhões e os 40 milhões de euros para a venda do seu passe por parte da formação alemã.

De resto, o Eintracht Frankfurt, atual quinto classificado, tem uma temível dupla de pontas-de-lança, com Sébastien Haller a somar os mesmos sete golos que Jovic no campeonato, sendo ambos os melhores marcadores da prova, em igualdade com Thorgan Hazard e Paco Alcácer.

Timo Werner e Alfred Finnbogason em destaque

Outros pontas-de-lança em excelente plano têm sido Timo Werner, do RB Leipzig (seis golos apontados) e, principalmente, Alfred Finnbogason, do FC Augsburgo, também com seis golos, mas que marca a cada 66 minutos. Ainda no FC Augsburgo, o defesa-esquerdo Philipp Max continua a mostrar que tem futebol para mais altos voos, como se prova pelas 21 assistências em 103 jogos ao serviço do seu clube (esta época já fez duas na Bundesliga).

O médio ofensivo eslovaco Ondrej Duda tem sido o abono de família do Hertha Berlim, equipa que começou em grande plano mas que entretanto caiu um pouco de rendimento, ocupando o oitavo lugar. Weston McKennie, médio centro norte-americano de 20 anos do Schalke 04, tem sido uma das grandes revelações da prova, destacando-se pela inesgotável capacidade física e pela forma como destrói o jogo dos adversários, sabendo também construir. Entretanto, aos 40 anos, Claudio Pizzaro continua a ser uma das figuras do Werder Bremen e apesar de não ser titular indiscutível já soma oito jogos, com dois golos marcados.

Portugueses abaixo do esperado

Francisco Geraldes e Gonçalo Paciência, jogadores portugueses que representam o Eintracht Franfurt, têm estado votados a um ocaso total e ainda não jogaram na Bundesliga. No Borussia Dortmund, Raphäel Guerreiro soma apenas 198 minutos (em cinco jogos) mas foi titular nas duas últimas partidas. O extremo Bruma também não tem salvo a honra lusa em terras germânicas, somando apenas 159 minutos na Bundesliga, divididos por quatro encontros, com um golo marcado. Curiosamente, numa época em que até conseguiu, finalmente, afirmar-se na seleção nacional.

Contra a expetativa de muitos, Renato Sanches é o português mais utilizado, com 322 minutos em sete partidas, mas ainda assim com um rendimento modesto e apenas três encontros a titular.
Matheus Pereira, brasileiro emprestado pelo Sporting ao FC Nuremberga, cumpriu apenas 106 minutos, em dois encontros.

Resultados surpreendentes

Já houve alguns resultados surpreendentes nestas dez primeiras jornadas do campeonato. O maior de todos foi a chocante derrota caseira do Bayern Munique diante do Borussia Möchengladbach, por 0-3. Os bávaros também perderam por 2-0 no terreno do Hertha Berlim. Merecem ainda realce as supergoleadas do Borussia Dortmund ao FC Nuremberga (7-0) e do Eintracht Frankfurt ao Fortuna Düsseldorf (7-1).

 

Fotos: DR

Artigo de
André Cruz Martins

08-11-2018



RELACIONADOS