Homens recorrem mais do que as mulheres aos signos para saber se apostam numa relação

Homens recorrem mais do que as mulheres aos signos para saber se apostam numa relação

Amor e Sexo

Homens recorrem mais do que as mulheres aos signos para saber se apostam numa relação

Estudo revela que homens preocupam-se, muito mais do que as mulheres, com a compatibilidade dos signos para perceber o futuro de uma relação.

Artigo de Bruno Seruca

04-02-2020

Se há quem não ligue nenhuma aos signos, outros acreditam que a compatibilidade de um casal passa por esse detalhe. Aliás, poderá mesmo ser um facto decisivo para decidir se vale a pena apostar numa relação. E neste capítulo, os homens preocupam-se mais do que as mulheres com o mapa astral da relação. Este é o resultado de um estudo realizado pela rede social Badoo.

Yaslen Clemente, a modelo vítima de bullying que faz sucesso nas redes sociais

Aproveite já este bónus de 50 euros para apostar. Registe-se aqui

O trabalho foi realizado no Brasil e contou com 1149 utilizadores da rede social. Os resultados mostram que 23,67% dos homens defende que o signo da parceira é fundamental para perceber se a relação terá, ou não, futuro. Além disso, três em casa dez pessoas perguntam o signo à pessoa com quem podem vir a ter uma relação.

Leia ainda: 5 razões para escolher a Betano.pt como o seu site de apostas de eleição

21% dos utilizadores que participaram no estudo defende que é importante olhar para o horóscopo com regularidade. Além disso, uma em cada dez pessoas assume olhar diariamente para aquilo que o mapa astral tem reservado para aquele dia. Por sua vez, quatro em cada dez revela recorrer ao horóscopo sempre que precisam de um conselho. Por fim, o estudo realizado pela Badoo mostra ainda que 8,99% dos homens dá muita importância à compatibilidade entre os signos. Quanto às mulheres, esta percentagem baixa para os 4,65%.

Fotos: iStock by Getty Images

Siga o ParaEles no Instagram
Instagram @paraelesofficial

Siga o ParaEles no Instagram
Instagram @paraelesofficial

Artigo de
Bruno Seruca

04-02-2020



RELACIONADOS