Excesso de açúcar prejudica qualidade dos orgasmos

Excesso de açúcar prejudica qualidade dos orgasmos

Amor e Sexo

Excesso de açúcar prejudica qualidade dos orgasmos

Um inquérito revelou que 80% não tem noção que o consumo excessivo de açúcar, além de enfraquecer a intensidade dos orgasmos, pode provocar disfunção erétil nos homens.

Artigo de Equipa Paraeles

23-10-2018

Há cada vez mais opiniões e estudos que apontam para os perigos do açúcar e até o chef Jamie Oliver já veio a público dizer que esta é a nova droga dos tempos modernos. Se há malefícios óbvios para o consumo em exagero do açúcar, há outros que passam despercebidos, como era até agora a relação disso com os orgasmos.
A nutricionista britânica Cassandra Barns veio alertar para os perigos do consumo excessivo de produtos açucarados, os quais, além de reduzirem o prazer máximo, podem, em casos mais extremos, provocar disfunção erétil nos homens. “Uma das consequências [desse comportamento] é o aumento do risco [de desenvolvimento] de diabetes tipo 2, que está a ganhar proporções epidémicas”, alerta a especialista num artigo publicado.

“Milhões de pessoas podem ter este tipo de diabetes e nem sequer o sabem”, refere ainda. Esse desconhecimento não se fica, contudo, por aí. “Poucos de nós conhecemos os efeitos devastadores que a diabete tipo 2 pode ter nos nossos corpos e nas nossas vidas, incluindo cegueira, aumento dos riscos de ataques cardíacos e problemas nos membros inferiores. E apenas uma percentagem mínima sabe que afeta a nossa vida sexual”, sublinha.

Produtos açucarados prejudicam a intensidade dos orgasmos

Um inquérito a 2.022 cidadãos britânicos revelou que 80% não têm noção que o consumo excessivo de açúcar, além de enfraquecer a intensidade dos orgasmos, pode provocar disfunção erétil nos homens. E as mulheres também são prejudicadas. “A diabetes tipo 2 também pode afetar a sexualidade feminina porque os danos que causa nos vasos sanguíneos podem condicionar a irrigação da vagina e do clitóris, causando secura”, esclarece a especialista.

Para prevenir a doença e melhorar a vida sexual, Cassandra Barns sugere uma redução dos produtos processados, incluindo o pão branco, os bolos e as bolachas e os cereais de produção industrial, assim como abolir o álcool, os refrigerantes e as bebidas açucaradas.

Por outro lado, realça a importância de reforçar o consumo de vegetais e de frutas menos doces e verificar sempre o teor de açúcar e de gordura das refeições pré-confecionadas. Fazer mais exercício físico também ajuda a minimizar os efeitos do consumo excessivo de produtos açucarados.

 

PÈ
Artigo de
Equipa Paraeles

23-10-2018



RELACIONADOS